2007/02/20

É carnaval e eu levo muito a mal

O Carnaval instiga os meus instintos homicidas. De tal forma que fosse eu um terrorista islâmico, teria havido um 2/11 e nem o Empire State Building tinha escapado.
A felicidade suprema que as pessoas carnavalescas transmitem - com a boca tão arreganhada como se estivessem a apresentar o Jornal Nacional da TVI - não faz sentido.
Há apenas 5 situações que justificam uma felicidade suprema:
  • encontrar o amor da nossa vida;
  • ter um filho;
  • ver um golo do Benfica;
  • ver um passe do Rui Costa para um quase golo do Benfica;
  • receber um SMS da Angelina Jolie, com um nome de Hotel, um número de quarto e uma hora.
E eu sei bem do que falo, porque já vivi 4 dessas 5 situações.
E o Samba, o que me irrita o Samba! Que me desculpe a musa-diva-deusa Marisa Monte, e o engenheiro-arquitecto-doutor Chico Buarque, mas o Samba não passa de uma versão anfetaminada, suada e despida dos Pauliteiros de Miranda. O raisparta do Sambódromo parece uma gala do centenário dos Stomp, com toda a gente a bater em tudo o que encontra.


E é isto.

3 comentários:

PmCDP disse...

Partilho desse gosto pelo samba, principalmente quando dançado em Portugal em pleno Inverno.

NG disse...

... e com bailarinas com barriguita gorducha e branca como a cal...

Anónimo disse...

Hello. And Bye.